domingo, 31 de agosto de 2008

ECLIPSE TOTAL 2008: 5º Festival de Artes do Palco














O Eclipse Total: 5º Festival Artes do Palco decorrerá na cidade do Porto.

Teatro da Vilarinha e Parque da Cidade do Porto de 2 a 30 de Setembro na sua edição de Verão.

O Festival é um espaço de encontro de sensibilidades e de oportunidades de mudança, redefinição e estabilização de cursos de vida.
É também uma oportunidade de vivência de uma arte alternativa que pela sua
capacidade de integração de artistas e espectadores numa mesma plataforma contemporânea, busca a criação de veículos artísticos.
Eclipse Total é também um espaço intensivo de criação e mostra de trabalhos
elaborados pela equipa de criadores e produtores que dão o seu entusiasmo a esta iniciativa da
Eclipse Arte.
Este ano agrega-se em torno do nascimento do movimento World Art.
O movimento World Art é uma plataforma de intercâmbio cultural e artístico que
pretende rodear os agentes envolvidos de condições dignas de trabalho como seja, residência,
alimentação ovo lacto vegetariana, capacidade de mobilização de artistas e públicos, visibilidade de trabalhos e condições de criação de riqueza e valorização dos objectos artísticos que se apresentam. Estes objectos têm um carácter transdisciplinar e uma
linguagem universal.

PROGRAMA
Edição de Verão
Porto
Teatro da Vilarinha
Rua da Vilarinha, 1386, junto ao parque da cidade, estrada da circunvalação, a 200 m do oceano
atlântico, lado
Matosinhos. Autocarro 88, castelo do queijo, estação andante Pedro Hispano.

Maiores Informações:

+351 96 014 01 82

http://eclipse-arte.blogspot.com/

eclipsearte@gmail.com

sediada no Porto Rua Santa Joana Princesa, 35 4150–667 Porto

terça-feira, 26 de agosto de 2008

5º FESTIVAL DE ARTES DO PALCO

Performance Mística.

Elementos em Movimento

Teatro da Vilarinha / Porto Dias 19 a 21 de Setembro 21.30h



Performance por Giancarlo de Aguiar.

A Performance num rito de teatro místico com base neo-junguiana, o actor
representa através dos quatro elementos; Ar, Terra, Água e Fogo em conformidade com
as quatro funções psíquicas descritas por C.G.Jung, (das Denken, das Fühlen, das
Empfinden, die Intuition)1, (o pensar, a sensação, o sentir, o intuir). Correspondentes às personagens arquetípicas: O Guerreiro-Héroi, o Rei-Imperador, o Bem Amado e o
Mago-Alquimista.

Estas personagens representam o “trans-fundo” de um único ser, na busca incessante do caminho da individuação. È no contacto com o numinoso, no manifestar
da quintessência que o Ser equilibra os elementos na bússola da psique em movimento
no despertar para um estado transpessoal.
Através das artes cénicas e da escrita poética, Giancarlo de Aguiar dentro de um cenário místico apresenta a temática a cerca dos fenómenos decorrentes de estados ampliados de consciência, a natureza humana em superação de si mesma, que o poeta-actor-psicoterapeuta Giancarlo chama de “Filhos de Hórus” todas as pessoas que ampliaram a
consciência para além do conhecimento, buscando na vida a
sensibilidade e criatividade, como fonte de luz na sabedoria incomum.
Este é o elemento unificador dos quatro arquétipos, a quintessência para que o mago-alquimista possa transmutar e integrar suas energias que serão utilizadas no guerreiro-herói, portador da coragem e honrra no seguir de um caminho mais firme, com a fluidez do pensamento, para que assim a visão do rei imperador venha a ter a responsabilidade diante de uma vida justa, e o bem-amado manifeste a ética com inteireza que nesta sincronicidade dos elementos crie percursos em plenos e genuínos movimentos!

Ficha técnica
Produção: Eclipse Arte, Associação Cultural
Direcção: Érica Poonam.
Texto e Interpretação: Giancarlo de Aguiar